quinta-feira, dezembro 21, 2006

O JOGO DO ADVERSÁRIO

Grandes obstáculos se deparam a todos aqueles que pertencem a uma corporação que sabe muito, que sabe mais do que pode e consegue dizer, porquanto o seu saber tácito sobreleva de longe o conhecimento explícito. É nesse saber que se firma e aplaina a sua segurança ontológica; é ele que garante o ser, o contexto que decifra, dá luz, código e sentido ao texto, o plano de fundo que suporta e permite a concentração nas tarefas da profissão. E é tanto que a gente nunca sabe verdadeiramente aquilo que sabe. Ao deixarmos de aprender, entregamo-nos a envelhecer e renunciamos a viver.
Aquilo que eu sei é que criticar por criticar é o mesmo que ir para a piscina sem vontade de tomar banho. Não vale a pena lamentar toda a oposição que campeia na nossa vida, porque temos que saber conviver com ela, aceitá-la, ou arranjar maneira de a contornar democraticamente, com actos e factos.
Projectos alternativos há muitos. Posso querer fazer uma estrada por aqui, o outro por acolá, porque o verdadeiro interesse é que o caminho apareça, não sendo necessário cair em boas graças e aparecer na fotografia. Mais e melhor é aquilo que se tem feito no nosso concelho há mais de 17 anos e as provas estão há vista de todos. Muito bem dito : BASTA DE HIPOCRISIA!
Olhem-se bem por dentro e por fora e de alto a baixo. Observem-se atentamente.
Tem toda a razão NITZSCHE, quando afirma que aquilo que não nos mata nos torna mais fortes, por isso eu falo e tenho o dizer rente ao sentir.
POR UM CONCELHO MELHOR, SEMPRE!

4 comentários:

Doutor Jivago disse...

A choradeira é sempre a mesma.Não admira...

Kim Lois disse...

Encosta a tua cabecinha e no meu ombro e chora, que não vai embora, que não vai embora, porque gosta de mim. Tira a fotografia na FOTO REI.

MRelvas disse...

Isso passa-se em todos os concelhos...mas há uns que precisam de CONSELHOS!

Naeno disse...

As esperiências duras que a vida te impõem, também é uma forma de aprendizado. A vida caminha crescente no que se refere ao teu conhecimento propiro, às tuas obras, tuas marcas. E aquilo que machuca, e sentes dores por isso, é como falastes, serve como aprendizado e te deixa atento e mais preparado para outra eventual reacída.

Um abraço,
Feliz Vida.