sexta-feira, janeiro 05, 2007


BULIÇOSO

Na calçada o vento ler os meus poemas,
Numa velocidade motorizada.
Além do que meus olhos acompanhar
Exposto agora estou,
A tantos quantos ele segreda,
Saberão dos meus delírios, minhas frustrações,
Meus rompantes de amor.
Todos saberão que não ando feliz
Isso me fez sentir uma revolta num repente,
Resulstou numa indignação maior
Do que uma violação na carne.
Eu cá comigo guardava a proscrição
Dos meus versos.
O vento entorna, e mais interessado
Volta a reler meus papéis
E comenta, me condena.
Eu ouço, no vai e vem alucinado
Das dobras nas páginas marcadas,
Acentos, riscos, marcados de onde
Suponho ser o meu distrair maior,
Aonde suponho haver
Algo que me comprometa
Pelos meus incógnitos pensares
Que o vento não traduziu,
partes pequenas que a ele bastou
Para agarrar-se a mim,
No desejo de entender e dizer
A todos, de um pobre poeta
De gramática,
Só, verticalmente estático
No seu revés, frontal, entendedor desigual.
naenorocha

2 comentários:

Zeca Paleca disse...

AMIGÃO: Você nos brinda com poesias fantásticas.

OBRIGADÃO!!!!!!!!

Freyja disse...

los versos siempre alimentan el alma
besitos



besos y sueños