segunda-feira, março 05, 2007

LÁGRIMAS

Às vezes ocorre de eu chorar pelos dedos,
Antes das nuvens se formarem,
Antes de uma alegria esperada, que se demora,
E tua chegada adia a formação do tempo.
Àquela hora.
Choro pelos olhos, um raro momento,
Mais pelo peito, profunda reserva de nós,
Pela garganta amarrada e de impossível
Veio, por onde verte a irrigação dos poros.
Choro chegando, choro saindo,
Choro chorando, choro sorrindo.
Ai dor.
Ás vezes choro pela minha testa,
Quando se atesta um tempo de chorar,
E me enrubesce a face, como ao céu,
As nuvens quaram seus vestígios
Enxugados. Chovo que cantam os sapos,
Derramo-me que reclamam as ruas,
E nunca seca. Para a água fica a vontade,
Cessa o desejo, cai um temporal.
E o que dizer se já foi assim,
Desde que mirei os teus olhos cetim
Quando beijei tua boca carmim,
Porque é que fostes de ausentar de mim.

4 comentários:

Freyja disse...

lagrimas que siempre estan en la alegria y la tristeza
hay tiempo de llorar y de sonreir
besitos

Marco Gata disse...

LINDO POEMA

Nokitas disse...

Linda tu poesia Naeno
kiss

Thunder disse...

Bonito poema. Não conhecia este!