quinta-feira, julho 26, 2007

OLHA O MUDO
É corriqueiro você de repente ser agasalhado por uma mão triste, e de tristeza ser tomado. Da mesma forma é banal a unanimidade dos que te vêem triste, dizer: Joga esta tristeza pra lá, a vida é linda! Vamos que eu te mostro as estrelas no seu aparecer, que te apresento ao pôr-do-sol. Amo-te, fica assim não, eu estou aqui, sou teu amigo pro que der e vier. Amigo é para essas coisas! Amigos são estes que te afagam que te consolam. Não vês, eu estou aqui, do teu lado. Nada tens que temer. O mundo é um albergue, enquanto a tua casa não fica pronta. E é beijo, beijo, beijo, beijo, afagos, conselhos, palavras de incentivos, indicações de livros de auto-ajuda: Paulo Coelho, Trevisan, e ouros tantos que estão na lista dos mais vendidos.Eu nunca falo na generalidade. Ninguém conhece todas as pessoas, nem externamente, nem o interior de cada um. E muito mais difícil saber de que interior são provenientes. Mas a verdade de que a hipocrisia, a fala falsa, a palara só da boca, como quem saúda e te faz menção à distância, são atos predominantes, isso cá é verdade.Tu te arrombas de dores, de uma confusão que crias sobre a vida e suas prioridades valorosas, esperneia, chora, baixa ao hospital, e o mundo continua o mesmo, os carros passando em velocidade e tu escutas de dentro do teu quarto, as pessoas fazem planos explícitos para os dias por vir. E tu ouves vozes que te penetram os tímpanos a os inflamar, numa confirmação e que o mundo não está nem aí para a tua dor. Que ele não para por ti, nem por ninguém que como tu está se sentindo na mais absoluta solidão. Traído, e isso, te leva, por pura fragilidade do teu corpo, dos teus sentidos, a julgar-se traidor. Os outros é que são bons. Tu és a uma escória. O que vieste fazer mesmo aqui por essas bandas? O mundo não tem um alqueire reservado para ti. Não existe um leito desocupado onde tu possas deitar. O mundo não se incomoda com tua dor. Nem fica em teu assédio, na fila de espera, louco por te ver, te afagar e te assegurar dessas incertezas que povoam a tua cabeça e o teu coração. Uma presença às vezes demonstra apenas o interesse de aquela pessoa, ou aquele mundo, fazer o exercício comum de mostrar-te a cara, que esteve lá do teu lado, mesmo que sequer tenha triscado em ti, e se acomode-se numa cadeira frontali, desfiando um cofo com algodão em fios, de palavras sem sentido, sem o sentimento verdadeiro de um igual teu. Existem pessoas sensatas e honestas consigo e com os ouros, pessoas boas, pessoas verdadeiras, gentes favorável a todos até a si próprios, existem. Tanto que estamos todos nós a procurá-las, por onde passamos e nos deparamos com um ser que, visivelmente é mesmo que tu, intimamente tu te indagas será essa a pessoa verdadeira. A pessoa com as qualidades que até a mim deixaria orgulhoso? E o mundo está repleto, completamente lotado de solidão. Um apocalipse de água e fogo está à nossa frente. Senão pra quê a correria desenfreada de todos, porque a passagem despercebida dos que estão sendo soqueadas por seus flancos, enquanto correm, e gesticulam e olham desconfiadamente para os lados. Os possíveis itinerários do fogo que limpa os caminhos ou das águas que os tornem mares profundos.

3 comentários:

O Sentir dos sentidos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Naeno disse...

Eu não estou entendendo nada. Todos os meus post tem comentários excluídos e eu não exclui nenhum. O que está havendo. Eu queria uma explicação por parte dos coordenadores do Blog.

Um abraço
Naeno

Naeno disse...

Eu não estou entendendo nada. Todos os meus post tem comentários excluídos e eu não exclui nenhum. O que está havendo. Eu queria uma explicação por parte dos coordenadores do Blog.

Um abraço
Naeno