segunda-feira, fevereiro 19, 2007

AMIGOS COLORIDOS

Entre os vários princípios destinados a reger o processo da empatia e da assertividade entre os amigos coloridos, não atendendo a credos e nem a pátrias, aquele que eu mais aprecio é o da reversibilidade. Ele implica a obrigação de termos uma conduta reversível, um relacionamento que admitimos aos outros quando se dirigem e se referem a nós. Nisto cabem a linguagem, as palavras, reparos e comentários, as atitudes e gestos.
Trata-se de uma norma cuja aplicação vai para além de um pequeno espaço da vida, porquanto constitui trave mestra do protocolo do civismo que a todos vincula, devendo vigorar em toda a parte. Creio até que a observância deste princípio pelos diversos amigos coloridos poria termo ao clima de notória insanidade em que a nossa vida, por vezes, é fértil. Se ele fosse tido na devida conta muitos problemas deixavam de existir e viveríamos com mais fraternidade. Em vez de escarafuncharmos constantemente na podridão, melhor seria se nos entregássemos à tarefa bem mais exigente de trazer a primeiro plano a beleza de sermos verdadeiros amigos. Enquanto assim não for; são a sujidade, a grosseria, a fealdade e a pestilência que atraem a visão, o olfacto e a audição.
A culpa maior deste atoleiro não é do João, ou da Ana. Tem sujeito plural e prende-se com o baixo índice da cultura cívica, com a fraca qualidade da educação e formação e com o enorme peso da nossa ignorância e irracionalidade. O problema está em nós; nós povo, nós matéria-prima, onde os espertos são valorizados e premiados, onde a esperteza é mais apreciada do que o trabalho, os princípios e valores, onde se desculpa a fraude, a mentira, a falsidade, a estupidez e mediocridade. Somos nós que devemos mudar e colorir a nossa amizade, nós que nos fazemos de surdos e desentendidos. O ruim está em nós, porque nos deixamos manipular, alienar e enganar e deveríamos exigir ser tratados à luz do princípio da reversibilidade e, assim, o futuro seria bem melhor. A amizade colorida exige dos nossos semelhantes uma conduta igual à que esperam de nós em relação a eles pois só assim merecerão o nosso respeito, consideração e admiração.
Saibamos amar a justiça, imparcialidade e direito à igualdade, assumamos as nossas falhas e erros para assim se diminuirem as desconfianças, as ofensas e os juízos de intenção.
Enfim, se o princípio da reversibilidade vingasse nesta vida, haveria mais verdade e menos circo da hipocrisia e falsidade.
Levanto a minha taça de champanhe e brindo por todos vós e com todos vós, em honra da nossa AMIZADE COLORIDA.
Esta é a minha resposta, muito sucinta, ao desafio da Ana Reis. Espero não a ter desiludido.

8 comentários:

mymind disse...

epa gostei do post =P
mas este eh o mundo em k kada um move-s pelos seus interesses =/
bju

Peste disse...

não desiludiste mesmo nada, pelo contrário, concordo contigo, axo frontal e de uma visilidade fantástica.

adorei o q deixaste no meu blog, muito lindo mesmo, adorei.

beijos grandes

ci disse...

vim agradecer a tua visita...:) e vim cheirar o teu cantinho....volto outra altura para comentar...tb ja tive um post desete género a dias....:)

beijinhos da ci

Freyja disse...

los amigos son un gran tesoro
besitos

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

agradeço a tua visita e o teu comentário no fantasy.
aceitei o convite para tomar café...
obrigado.
beijos

BALEIA AZUL disse...

LA GORDA TAMBIEN QUIERE UN CAFE

MY LOVE disse...

los amigos son bellos

Nanny disse...

Ahhh! Mais um que fugiu ao âmago da questão!

Só me desiludem estes pseudo-homens...
(problemas da agricultura portuguesa...)

Hoje não levas beijo