sexta-feira, outubro 12, 2007

VOLUNTÁRIO

Por um momento que durou sua vida toda
Ele foi do voluntariado de cuidar de tudo,
Passava à vista todas as manhãzinhas
As borboletas que nunca as alcançava dormindo
E saudava com o olhar mais venturoso,
Cheio de coragem, audácia e cor,
Os canários belgas postos ao sol nas sacadas.
E visitava de fora, o casulo no seu tempo
De rebento. Fazia emendas nas asas dos passarinhos
Triscadas pelos helicópteros invasores dos seus espaços.
Ia aos lixões demarcar pontos para os urubus,
E lhes dava conselhos, quão perigoso é o sul.
Fazia festa e quermesse para os beija-flores
E lhes beijava o bico, provando do néctar.
Dava nome e sobrenome a todos os outros,
Quem não era parente seu, era do seu amor
E assim amava o tempo, que não se ver
Só por querer criar condições lá dentro
Para que lhe fosse surpresa todo dia, a aurora.

3 comentários:

Freyja disse...

Acacio no se olvidara, dejo muchas huellas en todos nosotros
la partida de nuestro amigo deja tristeza en el alma
gracias por estar cerca amigo
besitos


besos y sueños

Nokitas disse...

unida al dolor de su partida y gracias por tus versos poeta
kiss

Luso: Prós e Contras disse...

GRACIAS NAENO, LA ADMINSITRACION DE BLOG LUSO TE DA LAS GRACIAS POR ESTAR UNIDOS EN ESTE DOLOR

LA ADMINSITRACION