terça-feira, outubro 28, 2008

CAILEEN


Gosto dos sorrisos entreabertos de todos os rostos… Gosto das palavras com laivos de infância que, de vez em quando, surgem no meu amanhecer. Não é muito difícil chegar aqui e ver que alguém, inexplicavelmente, me fala das coisas que gosto: unicórnios, cantos sombrios, joelhos esfolados, choros baixinhos, faróis e vaga-lumes… Há quem me envie músicas que transformam a minha página no murmúrio suave das águas dos rios. Há quem não diga quase nada e diga tudo nas pétalas brancas de uma rosa. Há quem me envie amor… Nunca sei responder muito bem a quem me envia amor porque acho que o amor tem vários rostos e todos eles cabem na minha alma. Há quem faça de uma taça a celebração de uma voz que se esconde na bruma ou seja a intenção indelével de um encontro onde as horas do dia se transformam em degraus por onde posso ascender ao cume daquilo que não sei descrever mas que é, inexoravelmente, esse não sei descrever, a minha forma de estar aqui. Há quem me fale de assuntos sérios e que me fazem pensar….Há quem faça disparar em mim a paz e os conflitos… Gosto das palavras que me amordaçam e das que me libertam porque é sempre com um fôlego novo que dou volta às situações que se me deparam. E nunca a voz dos poetas se atrofiou dentro de mim. Descobri-lhe o destino nos momentos breves em que apenas contemplo a imensidão do mundo. Há cambiantes diferentes, rumos traçados num empolgar de sentimentos como se eu caminhasse nas margens brancas das minhas memórias. Há o soçobrar de um beijo que escorre lânguido nos versos que ainda não inventei porque o tempo que vivi e o que sei se escapa por entre os dedos das mãos. Há colchas de retalhos e girassóis na lua quando sigo com o olhar outro olhar… Quando o silêncio não é mais de que uma lágrima e a emoção que brame um grito retardado. Circunscrito a um espaço, cujas fronteiras desconheço, existem planícies e desertos. Sigo o declive das dunas e partilho com o vento os passos de uma dança. Reinvento-me ao som dos tambores que sinto rufar dentro de mim. É assim que estou aqui. Um ritmo e uma dança. Passos brancos na lua por aquilo que sinto e que me vem do lado em que vocês estão… O meu profundo reconhecimento. Contai comigo sempre!

9 comentários:

Menina do Rio disse...

Acabamos nos encontrando até mesmo em nossas ausências!
Continuas escrevendo em grande estilo!

Um beijinho pra ti

SAM disse...

Querido amigo!


Foi só o tempo de acabar uma postagem e vir ansiosa e muito feliz! Queria ter a velocidade mais rápida que o som... Não pode imaginar a felicidade que me deu a sua visita,querido amigo Sandokan! Que felicidade! Igualmente saudosa de ti! Obrigada e todo o meu carinho...


Um texto belíssimo, como habitual! E envie uma listinha para sua amiga das suas preferências rsrsrs. Tudo é pouco para fazer feliz quem se gosta.

Grande beijo.

LUIS FERNANDES disse...

Seja (re)bem-vindo. Tem andado desligado. Escreva mais. Senti a sua falta.
Um abraço.
Luis Fernandes
(www.questoesnacionais.blogspot.com)

Laura disse...

Ei-lo que apareceu saido das brumas!... Bem vindo ó tigre ao espaço sideral onde todos te querem... Um abraço e que esteja tudo bem contigo. Beijinho e abraço da laura..

SAM disse...

Vim te desejar uma linda semana, querido amigo!


Dedico-lhe imensa ternura! Beijos

escarlate.due disse...

Muito bonito este texto. Gostei

SAM disse...

Meu querido amigo Sandokan,


Meus sinceros votos de um feliz e renovador natal para você e seus familiares e que todas as suas esperanças se concretizem em 2009, .............!

Beijohohoho!

Sandokan disse...

Você é feliz, minha querida. E sabe porquê? Porque para você a felicidade não é a ausência de problemas, mas sim a grande capacidade que você tem para lidar com eles.

Vício disse...

A realidade do mundo exposta a seco na vida
É muito cruel, doi, fere, deixa nossa alma sentida,
É positivo que se saiba mostrar,
É positivo que se saiba para todos os lados olhar.
É positivo que haja que saiba expor e denunciar...

A realidade pode ser dura mas também precisa
De beber a magia das histórias de encantar
Precisa de amar, de ser acarinhada e de acreditar,
Precisa de acreditar que sempre pode existir
O brilho no olhar ou um Super-Herói
Que faça o mundo viver e aprender a sorrir
Que nos olhe nos olhos e nos deixe esperança,
O mundo precisa sarar a ferida que mais dói,
Precisa que veja um olhar puro de criança
E acreditar que vale a pena e que tudo pode mudar...

Histórias de encantar... histórias de encantar...
Vem neste meu mundo de sonho voar
Que te ensinarei como é bom saber acreditar,
Vem, dá-me a mão e diz-me que acreditas,
Diz-me que nos meus olhos a vida ainda pode brilhar,
Diz-me que me amas e que por mim não hesitas
Porque baseado na verdade que me dás talvez possa mudar,
Talvez seja mais um para fazer a diferença
E voltar a dar ao nosso mundo a cor da esperança...